FRATERNIDADE LEIGA DE S. DOMINGOS NO PORTO

Novembro 30, 2007

CONSTITUIÇÃO FUNDAMENTAL DOS LEIGOS DOMINICANOS

Filed under: Regra de Vida — Gabriel Silva @ 6:45 pm

I – CONSTITUIÇÃO FUNDAMENTAL DOS LEIGOS DOMINICANOS

Os leigos na Igreja

1. “Entre os discípulos de Cristo, os homens e mulheres que vivem no mundo participam, pelo seu Baptismo e pela sua Confirmação, da missão régia, sacerdotal e profética de Nosso Senhor Jesus Cristo. Eles têm como vocação difundir a presença de Cristo no coração da humanidade, para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e aceita por todos os homens” (Decreto do Vaticano II: “Apostolicam Actuositatem” sobre o Apostolado dos Leigos, n. 3).

Os leigos dominicanos


2. Alguns dentre eles, movidos pelo Espírito Santo para viver segundo o espírito ou o carisma de São Domingos, incorporam-se à Ordem graças a um compromisso especial, segundo estatutos que lhe são próprios.

Membros da Família Dominicana


3. Eles formam comunidades e constituem com os outros ramos da Ordem uma só Família (Cfr. LCO, 141).

Vocação dominicana própria dos leigos


4. Eles se caracterizam por uma espiritualidade própria e pelo engajamento ao serviço de Deus e do próximo na Igreja. Como membros da Ordem, eles participam de sua missão apostólica pela oração, pelo estudo e pela pregação, conforme sua condição de leigos.

Missão apostólica dos leigos


5. A exemplo de São Domingos, de Santa Catarina de Sena e daqueles que os precederam e marcaram a vida da Ordem e da Igreja, apoiados numa comunhão fraterna, dão o testemunho de sua fé. Põe-se a escuta das necessidades de sua época e se colocam ao serviço da verdade.

6. Procuram estar atentos aos principais objetivos do apostolado contemporâneo no seio da Igreja e estão preocupados muito especialmente com a misericórdia autentica em relação a todas as formas de sofrimento, na defesa da liberdade, da justiça e da paz.

7. Animados pelo carisma da Ordem, eles sabem que sua ação apostólica deve decorrer da abundância de sua contemplação.

II – REGRA DAS FRATERNIDADES


Vida das Fraternidades


8. Os Leigos Dominicanos se esforçam para viver numa verdadeira comunhão fraterna, segundo o espírito das Bem-aventuranças; comunhão que se manifesta em todas as ocasiões por gestos de misericórdia e de partilha entre os membros das fraternidades, sobretudo com aqueles que são pobres ou doentes; pela oração para os defuntos de maneira que todos não tenham se não “um só coração e uma só alma” (At. 4, 32).

9. Colaborando de todo o coração no apostolado dos irmãos e irmãs da Ordem, os membros das Fraternidades participarão ativamente da vida da Igreja, sempre dispostos a cooperar com os outros grupos apostólicos.

10. Para progredir no cumprimento de sua vocação, inseparavelmente contemplativa e apostólica, os leigos de São Domingos recorrerão principalmente as seguintes fontes:

a) A escuta da Palavra de Deus e a leitura das Escrituras, em particular o Novo Testamento.

b) A participação activa na celebração litúrgica e na Eucaristia quotidiana se possível.

c) A busca frequente do Sacramento da Reconciliação

d) A oração litúrgica em união com toda a Família Dominicana, tanto quanto a oração pessoal, a meditação e o Rosário.

e) A conversão do coração pelo espírito e a prática da penitência evangélica.

f) O estudo assíduo da verdade revelada e uma reflexão constante sobre os problemas contemporâneos à luz da fé.

g) A devoção à Virgem Maria, conforme a tradição da Ordem, assim como a nosso pai São Domingos e a Santa Catarina de Sena.

h) As reuniões espirituais periódicas

Formação dominicana nas Fraternidades


11. A finalidade da formação dominicana é de gerar adultos na fé, capazes de acolher, de celebrar e proclamar a Palavra de Deus. Cada Província estabelecerá neste sentido um programa:

a) de formação por etapas dos novos membros

b) de formação contínua para todos os membros, inclusive para os que estão isolados.

12. Um dominicano deve estar preparado para pregar a Palavra de Deus. Esta pregação é o exercício da função profética do baptizado, fortificado pelo sacramento da Confirmação, o que implica especialmente a defesa da dignidade humana, da vida e da família. A preocupação de promover a unidade dos cristãos, o diálogo com os não-cristãos e os não crentes faz parte da vocação dominicana.

13. As principais fontes da formação dominicana são:
-a Palavra de Deus e a reflexão teológica,
-a oração litúrgica,
-a história e tradição da Ordem,
-os documentos contemporâneos da Igreja e da Ordem,
-o conhecimento dos sinais dos tempos.

Compromisso do Leigo(a) na Fraternidade


14. Para incorporar-se à Ordem, os membros das Fraternidades devem fazer um compromisso que consiste numa promessa formal de viver segundo o espírito de São Domingos e a forma de vida indicada pela Regra. Este compromisso pode ser temporário ou definitivo. Ele se fará por esta fórmula ou uma outra substancialmente semelhante:


Em honra do Deus todo-poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo, da bem aventurada Virgem Maria e de São Domingos, eu N. N. diante de vós N. N. Coordenador(a) da Fraternidade, e vós N. N., Assistente religioso(a), representando o Mestre da Ordem dos Frades Pregadores, prometo viver segundo a regra dos Leigos de São Domingos, durante três anos – durante toda a minha vida”.

Estrutura e governo das Fraternidades


15. A Fraternidade é o meio próprio para alimentar e sustentar o engajamento de cada um(a) na sua vocação cristã e dominicana. O ritmo das reuniões variará segundo as Fraternidades. A assiduidade a estas reuniões testemunha a fidelidade de cada um(a).

16. A admissão de novos membros se faz segundo as disposições determinadas pelo Directório que precisará as condições e as prorrogações de admissão. Ela depende do (da) Coordenador(a) leigo(a) da Fraternidade que, depois do voto deliberativo do Conselho, procede, com o(a) Assistente religioso(a), à recepção do(a) candidato(a), segundo o ritual (a ser determinado) pelo Directório.

17. Depois de um tempo de experiência, a ser determinado pelo Directório, e depois do voto do Conselho da Fraternidade o(a) Coordenador(a) receberá com o(a) Assistente religioso(a), o compromisso temporário ou definitivo.

Jurisdição da Ordem e autonomia


18. As Fraternidades estão sob a jurisdição da Ordem; elas gozam entretanto da autonomia própria dos Leigos, governando-se a si mesmas.

No nível da Ordem universal


19.

a) O Mestre da Ordem, enquanto sucessor de São Domingos e chefe de toda a Família Dominicana, está à frente de todas as Fraternidades do mundo. A ele compete manter intacto o espírito dominicano, editar regras práticas adaptadas aos tempos e aos lugares, promover o bem espiritual e o zelo apostólico dos membros.

b) O Promotor Geral (das Fraternidades Leigas) representa o Mestre da Ordem para todas as Fraternidades e transmite ao Mestre da Ordem e ao Capítulo Geral as propostas que elas lhe submetem.

No nível da Província


20.

a) O Prior Provincial está à frente das Fraternidades nos limites do território de sua Província. Com o consentimento do Ordinário do lugar ele erige as novas Fraternidades.

b) O Promotor Provincial das Fraternidades (Frade ou Irmã) representa o Prior Provincial e faz parte de direito da Coordenação Nacional das Fraternidades. Ele é nomeado pelo Capítulo Provincial ou pelo Prior Provincial com o seu Conselho, depois de ter escutado o parecer da Coordenação Nacional das Fraternidades.

c) No território da Província será instituída uma Coordenação Provincial das Fraternidades, cujos membros serão eleitos pelas Fraternidades e que funcionará segundo as normas dos Directórios particulares. É o Conselho que elegerá o Coordenador(a) provincial (nacional) das Fraternidades.

No nível da Fraternidade local


21.

a) A Fraternidade local é regida pelo seu Coordenador (a) com seu Conselho: eles são plenamente responsáveis do governo e da administração da Fraternidade.

b) O Conselho é eleito segundo o modo e pelo tempo determinado pelos Directórios particulares. Os Conselheiros elegem o(a) Coordenador(a) entre os membros do Conselho.

c) O Assistente espiritual (frade ou irmã) tem a função de assistência doutrinal e espiritual. Ele é nomeado pelo Prior Provincial, depois de ouvir o parecer do Promotor Provincial e do Conselho da própria Fraternidade.

Coordenação nacional e Conselho internacional


22.

a) Quando houver muitas Províncias no território de um mesmo País, poderá ser instituída uma Coordenação nacional, segundo as normas determinadas pelos Directórios particulares.

b) Também um Conselho internacional poderá ser instituído, se isso for julgado útil, depois da consulta ao conjunto das Fraternidades.

23. Os Conselhos das Fraternidades podem enviar petições e votos ao Capítulo Provincial dos Frades; as Coordenações provinciais e nacionais podem dirigir-se ao Capítulo Geral. Convém que os responsáveis leigos sejam frequentemente convidados a estes Capítulos para tratar de questões que lhes concernem.

As leis que regem as Fraternidades


24. As leis que regem as Fraternidades dominicanas são:

a) a Regra das Fraternidades, (Constituição fundamental das Fraternidades, normas de vida e governo das Fraternidades).

b) as declarações gerais, seja do Mestre da Ordem, seja do Capítulo Geral.

c) os Directórios particulares.

Anúncios

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: